A importância Bíblica da separação entre igreja e Estado

No último dia 11 de julho de 2017 a igreja anglicana apostatou de vez aceitando a ideologia de gênero em seu catecismo. A igreja anglicana é um ramo dissidente do catolicismo que segue de perto as práticas católicas, com a única diferença de ser uma igreja nacional e não universal.

Sendo uma igreja estatal a igreja anglicana está sujeita aos caprichos de seus chefes de Estado desde sempre.

Em 1 Crônicas 9.1 lemos que o registro das famílias de todo o povo estavam escritos no Livro das Crônicas dos Reis de Israel, este livro, não é se refere ao livro de 1 e 2 Reis, mas a um livro perdido que é citado nas Escrituras. O que este livro perdido nos ensina?

O livro das Crônicas dos Reis de Israel era uma coleção mais exaustiva da história de Israel compilada pelos escrivães e historiadores da corte do rei. Os livros inspirados de Reis e Crônicas provavelmente usaram estes livros perdidos como referência, mas mantiveram apenas o necessário.

A perda desse livro foi algo apropriado para o povo de Israel,

tendo em vista que evitou um culto a Deus vinculado ao Estado, inclusive no registro de batismo, que era uma das finalidades do Livro das Crônicas dos Reis de Israel.

As igrejas posteriores poderiam aprender com isso, afastando-se do Estado, mas, com raras exceções pontuais, as igrejas dominantes sempre procuraram apoiar o Estado em sua hierarquia. As igrejas católica, ortodoxa, anglicana, presbiteriana e luterana foram exemplo disso.

A anglicana, como vimos, jamais foi uma igreja reformada. A presbiteriana e a luterana sacrificaram muito de seu fervor missionário devido a uma visão nacionalista e estatal. Pelo menos, as igreja reformadas, ainda que estatais, conseguiram superar esse revés, uma vez que prezavam pelas Escrituras, ao passo que as igrejas exclusivamente estatais se corrompem cada vez mais.

Isso é o que acontece com a igreja católica e a anglicana, por exemplo.

No desejo de satisfazer seu Estado, um representado pela rainha, outro pelo papa, abandonam o serviço fiel ao Rei dos reis. Jesus nos alertou para que tivéssemos cuidado, pois não podemos servir a dois senhores (Mateus 6.24).

Quanto mais as igrejas se estatizam, mais longe ficam da vontade de Deus apegando-se a ideologias e a filosofias para justificar o seu próprio sistema caótico de fé. O catolicismo apela para o aristotelismo tomista e o anglicismo apela para a ideologia de esquerda esposada pelos senhores globais, dos quais, a nobreza inglesa faz parte.

Uma verdadeira igreja de Cristo jamais pode se tornar estatal,

pois perderia sua própria cidadania celeste por uma cidadania mundana. A apostasia geral da igreja anglicana mostra como a junção entre igreja e Estada é perniciosa, pois graças a isso o anglicanismo jamais conseguiu ser uma denominação reformada de fato, mas sempre uma denominação conformada às vontades dos reis da Inglaterra.

Evitemos que nossas igrejas sejam tragadas pelas ideias mundanas mantendo distância de toda aparente vantagem que os mundanos possam dar à igreja local. A separação total entre igreja e Estado é um pressuposto bíblico e a igreja que assim procede será abençoada.

Sobre Marco Teles 182 Artigos
Formado em Teologia e Pedagogia, pós-graduado em Ensino Religioso, Neurociência Pedagógica, Comunicação e Oratória. Praticamente um "coxinha fundamentalista". Educador Religioso da Igreja Batista em Icaraí, Terceira Igreja Batista em Trindade e Diretor do Ministério Infanto Juvenil na Primeira Igreja Batista de Niterói, não exatamente nesta ordem e tempo. Meu princípio básico é servir a Deus, mesmo de forma incompreensível ao homem mundano, pois não existe comunhão da luz com as trevas. Por isso mesmo continuo pregando o Evangelho, para trazer mais pessoas à comunhão com Deus.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*