O Apocalipse é AGORA!

Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse, por Viktor Vasnetsov. Pintado em 1887

A cada dia surgem eventos políticos e sociais com a finalidade de criticar e até mesmo de contrariar as Escrituras. Já no século XIX alguns acadêmicos colocaram em dúvida as Escrituras dizendo que a Bíblia era tão precisa em seus detalhes que só poderia ter sido escrita depois dos acontecimentos.

Tal teoria acadêmica já foi amplamente refutada

por vastas fontes de descobertas arqueológicas que mostram a veracidade da Bíblia Sagrada. Sendo impossível aos ímpios manipular dados reais contra as Escrituras, restou-lhes inventar o “politicamente correto” para afrontar as Escrituras.

Iniciando com um discurso de defesa do deficiente físico, que é extremamente necessário e louvável, gradativamente os homens sem Deus abandonaram a defesa dos deficientes para defender a prática de crimes, vícios e pecados alegando uma falsa inclusão.

Hoje vemos falsas igrejas inclusivas que mutilam as Escrituras

tirando os textos que afirmam que sodomia é pecado. Igrejas que aceitam pastore divorciados, sob alegação de inclusão; igrejas que aceitam a imitação dos modismos do mundo alegando erroneamente que “fazem-se de fracos para ganhar os fracos”. Fazer-se de fraco não tem nada a ver com imitar o fraco, mas com não usar a força bruta contra o fraco, mas muitos pastores seguem tal caminho contrariando e pervertendo as Escrituras.

É nesse ambiente que vive a igreja de Cristo nos dias atuais.

Esse ambiente não é diferente dos dias dos apóstolos ou da igreja primitiva. No domingo passado, estudamos Apocalipse de 1.1-3 na Terceira Igreja Batista em Trindade e descobrimos coisas importantíssimas sobre a Palavra de Deus. O texto de Apocalipse foi escrito sobre “coisas que brevemente devem acontecer” e não apenas sobre o futuro. O Apocalipse sempre ocorre na história humana.

A profecia do Apocalipse acontece agora em nossa história

assim como aconteceu em outros momentos. As coisas que acontecem hoje aconteceram no período dos imperadores romanos, durante as guerras mundiais e continuarão acontecendo até que Jesus volte.

Entretanto, a igreja não deve se acomodar, pois a volta de Jesus está condicionada a duas coisas pelo menos: à pregação do Evangelho a todo o mundo e posterior apostasia da igreja. A volta de Jesus está intimamente vinculada à apostasia da igreja de tal forma que Ele só voltará quando a igreja for totalmente apóstata.

Apostasia difere de heresia.

O herege tem algumas opiniões contrárias às Escrituras, mas continua sendo temente a Deus, ao passo que o apóstata rejeita totalmente às Escrituras sem nenhum temor a Deus, inclusive se opondo aos ensinos bíblicos.

Já existem igrejas apóstatas que se opõem aos ensinos bíblicos como aquelas que aceitam o casamento homossexual. Isso é mais que heresia, é apostasia, pois nega totalmente o que Deus decretou literalmente como abominação ao Senhor.

Cabe às verdadeiras igrejas de Jesus Cristo anunciar o Evangelho até que Jesus venha, pois a apostasia já bate à porta de nosso século. Crente que cruza os braços é crente que concorda com a apostasia e, por colaborar com a apostasia se torna também apóstata.

Em primeira colocação podemos deduzir que o Apocalipse foi escrito para coisas que ocorrem durante a história de forma cíclica

e para as quais a igreja não tem o direito de recusar pregar a verdade. Se a igreja se acomoda por medo ou vergonha, devemos lembrar que Apocalipse 21.8 nos diz que os covardes, ou tímidos de assumir sua fé, não entrarão no Reino de Deus.

No Apocalipse, cabe salientar que profecia não é adivinhação.

A finalidade da profecia não é prever o futuro, mas evitar a apostasia. Quando os profetas do Antigo Testamento pregavam para o povo de Israel o objetivo era que o povo se arrependesse e mudasse sua história, mas o povo não se arrependeu e foi para o exílio. O próprio profeta Jonas tinha muito clara essa finalidade profética de evitar a apostasia, pois negou-se a pregar para os ninivitas para que aquela cidade não se convertesse ao ouvir a Palavra de Deus, pois Jonas odiava os ninivitas.

Assim também é com o Apocalipse.

O livro da Revelação dada a João não visa assustar ninguém, mas visa fortalecer a igreja para que busque ainda mais a Deus nos momentos mais difíceis e assuma seu caráter de evangelizadora do mundo. Claro que no final Cristo triunfará, mas até o trinfo do juízo final, cabe a nós como igreja de Cristo frustrar os planos do Diabo para que a glória da Salvação alcance muitas almas.

Não devemos pensar no Apocalipse como algo definitivo para nossa geração,

ao contrário, devemos pensar na profecia como esperança para nossa geração de tal forma que evitemos a apostasias e salvemos cada vez mais almas para Cristo.

Portanto, a famosa frase repetida por crentes desavisados dizendo “deixa estar, já está profetizado que vai acontecer” é um grande erro e uma posição favorável à apostasia, mesmo que de forma inconsciente. Acorde igreja, pregue o Evangelho!

Como último argumento podemos dizer que aqueles que ouvem a Palavra da profecia em Apocalipse são bem aventurados agora, no tempo presente, e não somente na volta de Cristo. Aquele que atende ao chamado do Apocalipse para evitar a apostasia e pregar a Palavra de Deus é bem aventurado. Por outro lado, aquele que cruza os braços é “servo mau e infiel” (Mateus 24.45-51).

O Apocalipse é uma espécie de lógica espiritual da história. Império após império, tenta realizar a obra do anticristo. Foi assim com o império romano, o império soviético, o pretendido império nazista e, atualmente, com o tão propagado império globalista.

Como podemos ver os impérios se reúnem a cada ciclo para realizar a operação do erro.

Atualmente, o império globalista, dirigido por homens multimilionários, pretende instituir um governo global preparatório para a grande apostasia e a vinda do anticristo. A destruição do conceito de família, a destruição do conceito de identidade dos nossos jovens através da ideologia de gênero e outros pecados como aborto e eutanásia difundidos cada vez mais apontam que estamos lutando contra o Império da Iniquidade.

Conclui-se portanto, que se o apocalipse é uma revelação profética para prevenir a apostasia na igreja, é necessário que guardemos suas palavras sem medo, antes com confiança para resistir a apostasia.

Enquanto a igreja não se render a apostasia,

Satanás estará amarrado e incapaz de matar, roubar e destruir com toda a operação do erro. A igreja de Cristo que vive segundo a sã doutrina bíblica é quem impede a ação do maligno resgatando cada vez mais almas do inferno.

Não é prudente que um crente olhe para o apocalipse como uma revelação predeterminada em seus detalhes. Os crentes que fazem isso acabam cruzando os braços e não pregando a Palavra de Deus. Cruzar os braços perante a iniquidade é fazer o jogo do Diabo e negligenciar a vontade de Deus.

Não faça o jogo do Diabo.

Pregue a palavra de Deus a tempo e fora de tempo para que Satanás seja derrotado em nossa geração. Não queira ser a geração que permitiu a apostasia da igreja e o domínio do anticristo. A Salvação de muitas almas está em nossas mãos.

Sobre Marco Teles 182 Artigos
Formado em Teologia e Pedagogia, pós-graduado em Ensino Religioso, Neurociência Pedagógica, Comunicação e Oratória. Praticamente um "coxinha fundamentalista". Educador Religioso da Igreja Batista em Icaraí, Terceira Igreja Batista em Trindade e Diretor do Ministério Infanto Juvenil na Primeira Igreja Batista de Niterói, não exatamente nesta ordem e tempo. Meu princípio básico é servir a Deus, mesmo de forma incompreensível ao homem mundano, pois não existe comunhão da luz com as trevas. Por isso mesmo continuo pregando o Evangelho, para trazer mais pessoas à comunhão com Deus.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*