Olavo de Carvalho: o herege político

Olavo de Carvalho tem angariado multidões de incautos.

Ele se comunica com palavrões para chocar e capturar a atenção de seus ouvintes manipulando-os emocionalmente e coloca a metafísica aristotélica no lugar da Bíblia como regra de fé, que mantém seus seguidores alimentando um antagonismo fanático com o comunismo através do uso de técnicas comunistas. Jovens evangélicos incautos têm abandonado as Escrituras para seguir filosofias mundanas pregadas por este instigador de celeumas.

Olavo de Carvalho usa Bolsonaro como seu representante icônico.

Seu interesse político não visa a solução de problemas da população, mas o controle da sociedade pela conquista do poder. Olavo acredita que suas opiniões estão sempre certas e que ele irá “salvar a nação” do comunismo como arauto do catolicismo.

Olavo de Carvalho prega que para que o Brasil avance é necessária a hegemonia do catolicismo que implica, automaticamente, na supressão dos evangélicos que costuma tratar como causadores de todos os males, genocídios e revoluções mundanas.

Os evangélicos não podem ficar parados enquanto um homem prega contra os valores morais

construídos pela Reforma, pois ele mesmo sabe que o catolicismo nunca se importou muito com moral até o surgimento da Reforma Protestante. A preocupação vaticana com a moral visa meramente a Contra Reforma nos dias de hoje.

Olavo de Carvalho defende que devemos confiar mais na ação política do catolicismo do que nas Escrituras Sagradas.

Para ele as Escrituras são patrimônio dos padres que explicam como bem entendem e os fiéis apenas aceitam sem verificar. Essa política tem levado muitos jovens ao exagero do radicalismo tradicionalista onde seguir a teologia tomista baseada na filosofia do pagão Aristóteles é mais importante que seguir a verdadeira Escritura Sagrada.

Apesar de Olavo de Carvalho dizer que defende a moral judaico cristã, em poucos momentos admite

que tal moral surgiu com o protestantismo que resgatou tais valores outrora perdidos em meio a um culto romano onde valiam mais os rituais do que a moral do indivíduo. A vida desregrada de vários papas da Igreja Católica no passado mostra que a moral judaico-cristã é uma herança da Reforma protestante. O catolicismo assume a moral protestante por se ver entre uma incoerência entre a ritualística e a prática de vida cristã.

Elementos do papado como o clã dos Bórgias são uma mácula na história do cristianismo.

A Reforma veio resolver esse problema, mas estranhamente, Olavo de Carvalho se diz defensor de uma moral que nunca foi o foco principal do catolicismo. Tudo isso para criar prosélitos para uma catolicismo que não converte ninguém por falta de Bíblia em suas pregações.

A Bíblia nos orienta a não confiar mais nos ímpios do que em Deus.

Entretanto, o olavismo tem orientado a juventude a confiar mais no pagão Aristóteles do que em Deus. Isso ocorre, pois para que a igreja católica retome o crescimento que deseja, ela precisa fazer seguidores. Como a mensagem católica é vazia de Bíblia, portanto, espiritualmente vazia, eles precisam distrair as pessoas com filosofias e militância política.

Olavo de Carvalho tem sido o arauto da militância política e filosófica anti Bíblia.

Em um de seus vídeos na internet Olavo “debate com um cristão biblista” simplesmente ignorando totalmente a importância das Escrituras e atribuindo todo crédito e argumento espiritual à metafísica aristotélica.

Nossos jovens precisam ser libertos desse mal.

Por mais impopular que seja, Bolsonaro está sendo usado para isso. Eduardo Bolsonaro chegou a defender a “criminalização do comunismo” o que vai até contra a Constituição que defende a pluralidade de ideias e liberdade de expressão. Mas Bolsonaro não faz isso sem um valor para o catolicismo, pois sem usar a Bíblia e apelando para a militância política, alguns católicos, não todos, pretendem a hegemonia católica através da pregação do medo propagado por supostas aparições de Maria contra o comunismo.

Ao propor a criminalização do comunismo, Bolsonaro, faz o que interessa ao olavismo,

pois fortalece o comunismo para gerar uma possível luta sangrenta de guerrilha o que faria que as “profecias” de algumas falsas Marias se “cumprissem”. Ora, se uma profecia precisa de ajuda no Congresso para se cumprir é sinal de que é falsa profecia.

Curiosamente, as falsas profecias mariolatras incluem a obrigação de que todos se tornem católicos

para salvar o Brasil do comunismo. Como se pode ver, o crescimento da igreja evangélica está incomodando e, se nenhuma estratégia dá certo, alguns católicos estão partindo para a heresia da militância política, por isso, precisam de um comunismo forte para manter um antagonismo que é útil a seu plano de dominação Vaticano.

O verdadeiro crente deve orar e vigiar para que seu filho, ou filha, não siga o olavismo.

Jovens que seguem o olavismo afastam-se da Palavra de Deus e abandonam a igreja, mais cedo ou mais tarde. Tudo isso porque acreditam num messianismo político assim como os fariseus do tempo de Jesus, mas Jesus deixou bem claro que messianismo político é heresia e das piores possíveis.

Os fariseus seguiram tanto a heresia política de lutar contra o Império Romano que esqueceram

que o mais importante são as Escrituras Sagradas e o cumprimento delas. Esqueceram também que o cumprimento delas não está atrelado a previsões políticas do tipo “Olavo tem razão”. Como resultado o farisaísmo e os saduceus, os militantes políticos intelectuais e religiosos do tempo de Jesus pediram que Jesus fosse crucificado e levaram Jesus à crucificação. Assim, tais fariseus modernos, os olavetes, levam o povo de Deus à crucificação em nome de uma doutrina herética de cunho político e demoníaco apenas para restaurarem a hegemonia católica no Brasil.

Enfim, o Olavo de Carvalho é o guru de uma nova heresia que muito se parece com o farisaísmo que crucificou Jesus.

Como igrejas evangélicas não devemos nos curvar à militância olavete, pois ela só leva à morte e destruição. Devemos orar e vigiar por nossos filhos para que não sejam tragados por essa heresia. Devemos também orar para que tal heresia não tome o poder no Brasil nas próximas eleições, pois se queremos um Brasil livre para pregar o Genuíno Evangelho de Cristo, precisamos evitar todo tipo de seita política que deseja apenas alcançar o poder por uma espécie de falso protagonismo que manipula as pessoas e as afasta da Palavra de Deus.

Sobre Marco Teles 182 Artigos
Formado em Teologia e Pedagogia, pós-graduado em Ensino Religioso, Neurociência Pedagógica, Comunicação e Oratória. Praticamente um "coxinha fundamentalista". Educador Religioso da Igreja Batista em Icaraí, Terceira Igreja Batista em Trindade e Diretor do Ministério Infanto Juvenil na Primeira Igreja Batista de Niterói, não exatamente nesta ordem e tempo. Meu princípio básico é servir a Deus, mesmo de forma incompreensível ao homem mundano, pois não existe comunhão da luz com as trevas. Por isso mesmo continuo pregando o Evangelho, para trazer mais pessoas à comunhão com Deus.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*